quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Refletindo!

T-oda alma é uma música que se toca
O- acorde depende só de você
D-a forma como você se sente
A letra se encaixa, feito rosa no buquê

A-s notas vão se harmonizando
L-á se mistura com ré
M-i se ajeita com fá
A-cordeão com oboé

É a transformação de sua vida em magia
U-nião perfeita de letra e melodia
M-anifestando-se por completo
A-lma liberta de todo desafeto

M-úsica suave que faz flutuar
Ú-nica, ímpar, te fazendo sonhar
S-obrepujando todo mal
I-rradiando brilho de cristal
C-olorindo teu interior
A-rco-íris em esplendor

Q-ue saibamos ouví-la
U-sufruindo assim dessa paz
E-ncantado-nos por demais

S-emeando dentro de nós
E-scalas musicais, de si a dó

T-ocando assim nossa emoção
O- amor expresso em nosso olhar
C-intilando em nosso coração
A- música da alma nos faz levitar

Rubem Alves
Imagem: Mi jardín de rosas
T-oda alma é uma música que se toca
 O- acorde depende só de você
 D-a forma como você se sente
 A letra se encaixa, feito rosa no buquê

A-s notas vão se harmonizando
 L-á se mistura com ré
 M-i se ajeita com fá
 A-cordeão com oboé

É a transformação de sua vida em magia

U-nião perfeita de letra e melodia
 M-anifestando-se por completo
 A-lma liberta de todo desafeto

M-úsica suave que faz flutuar
 Ú-nica, ímpar, te fazendo sonhar
 S-obrepujando todo mal
 I-rradiando brilho de cristal
 C-olorindo teu interior
 A-rco-íris em esplendor

Q-ue saibamos ouví-la
 U-sufruindo assim dessa paz
 E-ncantado-nos por demais

S-emeando dentro de nós
 E-scalas musicais, de si a dó

T-ocando assim nossa emoção
 O- amor expresso em nosso olhar
 C-intilando em nosso coração
 A- música da alma nos faz levitar

Rubem Alves
 Imagem: Mi jardín de rosas




quarta-feira, 29 de outubro de 2014







7 conselhos para pais adotivos:

1 – Esteja consciente de que adoção é pra sempre.
2 – Mantenha-se informado sobre o seu processo. Faça visitas frequentes à comarca onde abriu o processo. 
3 – Atualize o seu cadastro com regularidade. 
4 – Seja honesto sobre tudo. Não esconda nada nas entrevistas.
5 – Esteja preparado para compartilhar suas experiências com outras pessoas que também pretendem adotar.
6 – Não tenha medo de expressar suas emoções.
7 – Divida com amigos e familiares seus altos e baixos, alegrias e tristezas, esperanças e medos.

[+] http://marcca.ag/1qw8xph

Parabéns, você está “grávida”!

Parabéns, você está “grávida”!
parabens 4
Você pensou, repensou, sentiu e decidiu: vou adotar um filho. Parabéns, você está grávida! Uma gravidez diferente é bem verdade, mas está esperando seu filho. Uma gravidez não é isso? A espera pela formação de seu bebê? Então, você também está à espera… Uma espera com o mesmo amor, com a mesma ansiedade, curiosidade e tantas outras semelhanças a uma gestação.
Entre tantas semelhanças, afinal, como já diziam as nossas avós: mãe é tudo igual, as particularidades de uma “gestação adotiva” são importantíssimas e merecem toda a atenção. Em uma gravidez biológica você descobre que espera um filho por um exame. Já em uma gravidez adotiva (não sei se esse termo existe, mas gosto dele) você decide e inicia uma caminhada burocrática.
A gravidez biológica é recheada de sintomas físicos e mudanças corporais. Na gravidez adotiva as mudanças são todas psicológicas e emocionais, o que pode ser até mais difícil de lidar, levando em conta que as incertezas são muito maiores, a começar pelo tempo indefinido de espera. Enquanto uma grávida vai se sentindo mãe durante a gestação, a mãe adotiva pode se sentir mãe e seu filho ainda nem ter sido gerado pela mãe biológica. Isso que eu quero dizer com “incerteza”.
Lógico que cada caso é um caso (sim, esse papo de psicólogo é verdade), mas de um modo geral as ansiedades e expectativas da mãe adotiva são diferentes e tendem a ser mais intensas das de uma mãe biológica. Pense que, na grande maioria das vezes, você não sabe o sexo do bebê, nem a cor, nem a idade que ele vai “nascer”. Não tem nem ideia de quando ele vai chegar e nem de onde veio, mas o ama e o aguarda tanto quanto uma gravidez normal. É ou não é motivo de sobra pra ansiedade e expectativas ter o céu como limite?! Pois é… percebem como uma mãe adotiva tem que se preparar tanto ou mais que uma mãe biológica?
Puxando a brasa pro meu assado, uma psicoterapia durante a gestação adotiva é muito bem vinda (não só durante a gestação), pois ter um acompanhamento profissional nesta hora ajuda bastante. Como se o terapeuta fosse seu obstetra durante essa gravidez invisível. Mas se você não tem, ou não pode ter, esse acompanhamento profissional, informe-se, leia sobre, converse, recorra à família e amigos próximos, enfim, encontre uma forma de compreender e acomodar todas essas sensações e sentimentos que estão aí dentro. Pense que o cuidado com você mesma é a sua preparação, o seu pré natal para a chegada do seu filho.
Em um próximo texto falaremos mais sobre esses “sintomas” da gravidez invisível e a preparação da família durante a espera. Enquanto isso… Ficou com alguma dúvida? Quer perguntar alguma coisa? Quer contar algo? Passa lá no Consultório Invisível que a gente conversa!
Até a próxima!
Lívia Oliveira
Psicóloga: CRP 07/18713

terça-feira, 28 de outubro de 2014

1 Samuel 2 

                        A oração de Ana






Ana fez a seguinte oração:
“Como me sinto feliz no Senhor! Como ele me abençoou!
    Agora já posso responder a quem me quer mal,
        porque o Senhor deu solução ao meu problema.
    Como me sinto feliz!
Ninguém é tão santo como o Senhor.
    Não há outro Deus,
        nem há segurança alguma semelhante à de Deus.
Deixem de ser tão orgulhosos e altivos!
O Senhor sabe tudo quanto vocês têm feito,
    e julgará as vossas acções.
A força dos fortes foi quebrada.
    Os que fraquejam foram revestidos de força.
Os que viviam na fartura agora dão tudo por uma côdea de pão;
    e os que andavam a morrer de fome agora são fartos.
    A que era estéril tem agora sete filhos;
        e a que ia tendo sempre filhos agora deixou de os ter.
O Senhor é quem tira a vida, mas é também quem a dá.
O Senhor tira riquezas, mas também sabe dá-las;
    abaixa, mas também exalta.
Tira o pobre do pó da terra — sim, da mais baixa miséria —
    e trata-os como príncipes,
        fazendo-os sentarem-se em lugares de honra.
    Toda a Terra pertence ao Senhor;
        foi ele quem deu estruturas a todo este mundo.
Protegerá os seus santos;
    mas o malvado será silenciado, lançado nas trevas.
    O ser humano não tem capacidade de o enfrentar pela força.
10 Os que contendem com o Senhor serão aniquilados;
    trovejará desde os céus sobre eles.
    O Senhor julga sobre a Terra, duma extremidade à outra;
        dará força ao seu rei, exaltará o poder do seu ungido.”
11 Então regressaram todos a Ramá, mas sem Samuel; este menino tornou-se um servidor de Deus, ajudando o sacerdote Eli.


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

  Não Aceite Menos!
Aceite mais de Você!


Qualquer pessoa só pode oferecer o que tem, até já cansamos de ouvir isso e falar também. Mas, parece que está ficando cada dia mais complicado a questão do "oferecer"  por que nem sempre o que estou oferecendo é do agrado do meu próximo, complicado pensar sobre isso, ás vezes só temos para oferecer um sorriso, um colo, um aperto de mão, um abraço,...e hoje as pessoas querem mais, só que esse mais é mais material do que algo tão abstrato como um abraço.
Não aceite menos que um abraço verdadeiro!
Não aceite menos que um aperto de mão!
Não aceite menos se sabemos que a pessoa pode oferecer mais. Esse mais que estou mencionando não é material, é mais do que isso, por que estou falando do mais verdadeiro por que um colo entre outros mimos que podemos oferecer tem que ser autêntico e não forçado, infelizmente esse é o mundo que vivemos.
Não vejo esforço em algumas pessoas em oferecer mais, por isso que por amor a si próprio temos que ter isso como regra, tarefa do dia, pão de cada dia,...em fazer mais por nós e não ficarmos na expectativa que alguém poderá fazer algo além do que sabemos que pode fazer.
Eu aprendi.
Um dia digo isso: Eu aprendi!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Então, por hoje digo que estou me esforçando para oferecer mais para mim e sei que posso oferecer mais, não aceitarei menos de mim.
Sei que posso mais!
Quantos aos outros?
Oferece menos porque é o que tem a ser oferecido!



quinta-feira, 23 de outubro de 2014

#QuintasIlustradas

    Paisagem da Janela


         Milton Nascimento





Da janela lateral do quarto de dormir
Vejo uma igreja, um sinal de glória
Vejo um muro branco e um vôo pássaro
Vejo uma grade, um velho sinal

Mensageiro natural de coisas naturais
Quando eu falava dessas cores mórbidas
Quando eu falava desses homens sórdidos
Quando eu falava desse temporal
Você não escutou

Você não quer acreditar
Mas isso é tão normal
Você não quer acreditar
E eu apenas era

Cavaleiro marginal lavado em ribeirão
Cavaleiro negro que viveu mistérios
Cavaleiro e senhor de casa e árvores
Sem querer descanso nem dominical

Cavaleiro marginal banhado em ribeirão
Conheci as torres e os cemitérios
Conheci os homens e os seus velórios
Quando olhava da janela lateral
Do quarto de dormir

Você não quer acreditar
Mas isso tão normal
Você não quer acreditar
Mas isso tão normal
Um cavaleiro marginal
Banhado em ribeirão
Você não quer acreditar









sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Martha Medeiros: Vida é o que existe entre o nascimento...

Vida é o que existe entre o nascimento e a morte. O que acontece no meio é o que importa.

No meio, a gente descobre que sexo sem amor também vale a pena, mas é ginástica, não tem transcendência nenhuma. Que tudo o que faz você voltar pra casa de mãos abanando (sem uma emoção, um conhecimento, uma surpresa, uma paz, uma ideia) foi perda de tempo.

Que a primeira metade da vida é muito boa, mas da metade pro fim pode ser ainda melhor, se a gente aprendeu alguma coisa com os tropeços lá do início. Que o pensamento é uma aventura sem igual. Que é preciso abrir a nossa caixa preta de vez em quando, apesar do medo do que vamos encontrar lá dentro. Que maduro é aquele que mata no peito as vertigens e os espantos.

No meio, a gente descobre que sofremos mais com as coisas que imaginamos que estejam acontecendo do que com as que acontecem de fato. Que amar é lapidação, e não destruição. Que certos riscos compensam – o difícil é saber previamente quais. Que subir na vida é algo para se fazer sem pressa.

Que é preciso dar uma colher de chá para o acaso. Que tudo que é muito rápido pode ser bem frustrante. Que Veneza, Mykonos, Bali e Patagônia são lugares excitantes, mas que incrível mesmo é se sentir feliz dentro da própria casa. Que a vontade é quase sempre mais forte que a razão. Quase? Ora, é sempre mais forte.

No meio, a gente descobre que reconhecer um problema é o primeiro passo para resolvê-lo. Que é muito narcisista ficar se consumindo consigo próprio. Que todas as escolhas geram dúvida, todas. Que depois de lutar pelo direito de ser diferente, chega a bendita hora de se permitir a indiferença.

Que adultos se divertem muito mais do que os adolescentes. Que uma perda, qualquer perda, é um aperitivo da morte – mas não é a morte, que essa só acontece no fim, e ainda estamos falando do meio.

No meio, a gente descobre que precisa guardar a senha não apenas do banco e da caixa postal, mas a senha que nos revela a nós mesmos. Que passar pela vida à toa é um desperdício imperdoável. Que as mesmas coisas que nos exibem também nos escondem (escrever, por exemplo).

Que tocar na dor do outro exige delicadeza. Que ser feliz pode ser uma decisão, não apenas uma contingência. Que não é preciso se estressar tanto em busca do orgasmo, há outras coisas que também levam ao clímax: um poema, um gol, um show, um beijo.

No meio, a gente descobre que fazer a coisa certa é sempre um ato revolucionário. Que é mais produtivo agir do que reagir. Que a vida não oferece opção: ou você segue, ou você segue. Que a pior maneira de avaliar a si mesmo é se comparando com os demais. Que a verdadeira paz é aquela que nasce da verdade. E que harmonizar o que pensamos, sentimos e fazemos é um desafio que leva uma vida toda, esse meio todo.
Martha Medeiros

quinta-feira, 16 de outubro de 2014




"...Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado..."


- Rubem Alves - 








"A data, 15 de Outubro (Dia do Professor) é um convite para que todos, repensemos nossos papéis e nossas atitudes, pois com elas demonstramos o compromisso com a educação que queremos. Aos Professores e Professoras, fica o convite para que não descuidem de sua missão de educar, nem desanimem diante dos desafios, nem deixem de educar as pessoas. Pois, se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda..."
- Paulo Freire -



O Triunfo: Ser Professor









sábado, 11 de outubro de 2014

Quando eu era criança...

eu achava!!


Achava cada coisa, como:

"Nunca deixava os chinelos virados porque  se isso acontecesse os pais podiam morrer."
Como eu tinha tanto medo e tenho ainda de perder os meus pais. Acreditam que até hoje quando vejo um chinelo virado corro para desvirá-los?

Eu vivia achando tudo, essa é a verdade!
E hoje,encontro uma página no facebook que me fez voltar ao passado, que era outra coisa estranha para mim: Ah, hoje eu vi algo que me fez voltar ao passado. Pensava: Como? E ficava preocupada com esse negócio de voltar ao passado que até perdia o sono!








Que mundinho engraçado!!!






Outubro Rosa

Outubro Rosa Chegou!




É uma pena que nem todas as mulheres levam tanto a sério assim, como realmente deveriam.
Perdi uma amiga sensacional uns 04 anos atrás vítima do câncer de mama, foi uma grande perda e demorei muito para aceitar, por que foi tão rápido.
Uma amiga,amiga!
Alguém já ouviu isso?
Amiga,amiga?
Era a Pri!


Sempre com muita fé e nunca perdeu!










sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Tua caminhada ainda não terminou...
                                                        A realidade te acolhe
                                                      dizendo que pela frente
                                                o horizonte da vida necessita
                                                                de tuas palavras
e do teu silêncio.
Se amanhã sentires saudades,
lembra-te da fantasia e
sonha com tua próxima vitória.
Vitória que todas as armas do mundo
jamais conseguirão obter,
porque é uma vitória que surge da paz
e não do ressentimento.
É certo que irás encontrar situações
tempestuosas novamente,
mas haverá de ver sempre
o lado bom da chuva que cai
e não a faceta do raio que destrói.
Tu és jovem.
Atender a quem te chama é belo,
lutar por quem te rejeita
é quase chegar a perfeição.
A juventude precisa de sonhos
e se nutrir de lembranças,
assim como o leito dos rios
precisa da água que rola
e o coração necessita de afeto.
Não faças do amanhã
o sinônimo de nunca,
nem o ontem te seja o mesmo
que nunca mais.
Teus passos ficaram.
Olhes para trás...
mas vá em frente
pois há muitos que precisam
que chegues para poderem seguir-te.
Charles Chaplin
Imagem: L'Angelo Blu
Tua caminhada ainda não terminou...
 A realidade te acolhe
 dizendo que pela frente
 o horizonte da vida necessita
 de tuas palavras
 e do teu silêncio.

Se amanhã sentires saudades,
 lembra-te da fantasia e
 sonha com tua próxima vitória.
 Vitória que todas as armas do mundo
 jamais conseguirão obter,
 porque é uma vitória que surge da paz
 e não do ressentimento.

É certo que irás encontrar situações
 tempestuosas novamente,
 mas haverá de ver sempre
 o lado bom da chuva que cai
 e não a faceta do raio que destrói.

Tu és jovem.
 Atender a quem te chama é belo,
 lutar por quem te rejeita
 é quase chegar a perfeição.
 A juventude precisa de sonhos
 e se nutrir de lembranças,
 assim como o leito dos rios
 precisa da água que rola
 e o coração necessita de afeto.

Não faças do amanhã
 o sinônimo de nunca,
 nem o ontem te seja o mesmo
 que nunca mais.
 Teus passos ficaram.
 Olhes para trás...
 mas vá em frente
 pois há muitos que precisam
 que chegues para poderem seguir-te.

Charles Chaplin
 Imagem: L'Angelo Blu
Não há nada que mais me alegra do que postar valorosos sentimentos de poetas consagrados ou não, pois as palavras vem da alma de quem as escreve, e devem ser recebidas com muito carinho por aqueles que as leem, observam-nas e nelas meditam.
Na verdade, somos seres completos em nós mesmos, basta apenas descobrirmos isso. No entanto, temos uma necessidade da complexidade completa que o outro nos proporciona, e "Cisnes Brancos" é isso:
Poema rico, agudo e de beleza imensurável, pois os versos tratam de amor, morte e religiosidade, mistério de difícil acesso à alma que ainda não se vê preparada para desnudá-lo...
Visto que, a tristeza profunda que Alphonsus de Guimaraens expressava em suas obras dá-se pela perda de sua noiva Constança... amor dos amores... que através de sua morte o influenciou a escrever dessa maneira...
Assim, Alphonsus de Guimaraens com maestria, utiliza metáforas (Cisnes Brancos) que simbolizam a monogamia do amor!!!
Cisnes Brancos
Ó cisnes brancos, cisnes brancos, 
Porque viestes, se era tão tarde?
O sol não beija mais os flancos
Da Montanha onde mora a tarde.

Ó cisnes brancos, dolorida
Minh’alma sente dores novas.
Cheguei à terra prometida:
É um deserto cheio de covas.

Voai para outras risonhas plagas, 
Cisnes brancos! Sede felizes...
Deixai-me só com as minhas chagas, 
E só com as minhas cicatrizes.

Venham as aves agoireiras, 
De risada que esfria os ossos...
Minh’alma, cheia de caveiras,
Está branca de padre-nossos.

Queimando a carne como brasas,
Venham as tentações daninhas,
Que eu lhes porei, bem sob asas,
A alma cheia de ladainhas.

Ó cisnes brancos, cisnes brancos,
Doce afago da alva plumagem!
Minh’alma morre aos solavancos
Nesta medonha carruagem...

Quando chegaste, os violoncelos
Que andam no ar cantaram no hinos.
Estrelaram-se todos os castelos, 
E até nas nuvens repicaram sinos.

Foram-se as brancas horas sem rumo, 
Tanto sonhadas! Ainda, ainda
Hoje os meus pobres versos perfumo
Com os beijos santos da tua vinda.

Quando te foste, estalaram cordas
Nos violoncelos e nas harpas...
E anjos disseram: — Não mais acordas, 
Lírio nascido nas escarpas!

Sinos dobraram no céu e escuto
Dobres eternos na minha ermida.
E os pobres versos ainda hoje enluto
Com os beijos santos da despedida.

Alphonsus de Guimaraens
Imagem: Internet

O cisne-branco (Cygnus olor) é uma espécie de cisne nativa da Eurásia. É uma ave não migratória, mas foi introduzida na América do Norte e noutras regiões como animal ornamental de jardins. Pertence à família Anatidae, à qual também pertencem os patos e gansos.
Não há nada que mais me alegra do que postar valorosos sentimentos de poetas consagrados ou não, pois as palavras vem da alma de quem as escreve, e devem ser recebidas com muito carinho por aqueles que as leem, observam-nas e nelas meditam.

Na verdade, somos seres completos em nós mesmos, basta apenas descobrirmos isso. No entanto, temos uma necessidade da complexidade completa que o outro nos proporciona, e "Cisnes Brancos" é isso: 

Poema rico, agudo e de beleza imensurável, pois os versos tratam de amor, morte e religiosidade, mistério de difícil acesso à alma que ainda não se vê preparada para desnudá-lo... 

Visto que, a tristeza profunda que Alphonsus de Guimaraens expressava em suas obras dá-se pela perda de sua noiva Constança... amor dos amores... que através de sua morte o influenciou a escrever dessa maneira... 

Assim, Alphonsus de Guimaraens com maestria, utiliza metáforas (Cisnes Brancos) que simbolizam a monogamia do amor!!!

Cisnes Brancos

Ó cisnes brancos, cisnes brancos, 
 Porque viestes, se era tão tarde?
 O sol não beija mais os flancos
 Da Montanha onde mora a tarde.

Ó cisnes brancos, dolorida
 Minh’alma sente dores novas.
 Cheguei à terra prometida:
 É um deserto cheio de covas.

Voai para outras risonhas plagas, 
 Cisnes brancos! Sede felizes...
 Deixai-me só com as minhas chagas, 
 E só com as minhas cicatrizes.

Venham as aves agoireiras, 
 De risada que esfria os ossos...
 Minh’alma, cheia de caveiras,
 Está branca de padre-nossos.

Queimando a carne como brasas,
 Venham as tentações daninhas,
 Que eu lhes porei, bem sob asas,
 A alma cheia de ladainhas.

Ó cisnes brancos, cisnes brancos,
 Doce afago da alva plumagem!
 Minh’alma morre aos solavancos
 Nesta medonha carruagem...

Quando chegaste, os violoncelos
 Que andam no ar cantaram no hinos.
 Estrelaram-se todos os castelos, 
 E até nas nuvens repicaram sinos.

Foram-se as brancas horas sem rumo, 
 Tanto sonhadas! Ainda, ainda
 Hoje os meus pobres versos perfumo
 Com os beijos santos da tua vinda.

Quando te foste, estalaram cordas
 Nos violoncelos e nas harpas...
 E anjos disseram: — Não mais acordas, 
 Lírio nascido nas escarpas!

Sinos dobraram no céu e escuto
 Dobres eternos na minha ermida.
 E os pobres versos ainda hoje enluto
 Com os beijos santos da despedida.

Alphonsus de Guimaraens
 Imagem: Internet
 __________________________________________________
 O cisne-branco (Cygnus olor) é uma espécie de cisne nativa da Eurásia. É uma ave não migratória, mas foi introduzida na América do Norte e noutras regiões como animal ornamental de jardins. Pertence à família Anatidae, à qual também pertencem os patos e gansos.